É essencial lutar contra a paranoia (O Globo)

Os ataques em Paris são os mais mortais em solo francês desde 1945. E não que a França não estivesse preparada. Medidas antiterroristas estavam no nível mais alto desde janeiro, após o ataque ao “Charlie Hebdo”. Soldados armados tornaram-se parte de Paris. No entanto, não foram suficientes para evitar o que se acredita ser o ataque mais exitoso do Estado Islâmico (EI) cometido fora da sua área de domínio.

Agora, Hollande declarou estado de emergência: controle nas fronteiras e escolas e universidades fechadas. Mas um clima de medo e paranoia pode ter consequências graves. Medidas emergenciais são necessárias, mas devem continuar emergenciais. Caso tornem-se permanentes, põem a França num caminho extremamente perigoso.

A política francesa tornou-se profundamente cínica. O eleitorado perdeu a fé nos líderes. Muitos deles tentarão lucrar com este clima: Nicolas Sarkozy já pediu medidas drásticas. Alguns vão prometer a salvação fechando fronteiras. Vão clamar por um retorno a uma mítica, boa, velha e pacífica França, reescrevendo a História do país e seu fluxo constante e violento entre reação e revolução.

É fundamental evitar conclusões simplistas, como no pós-11 de Setembro. Isso nos colocaria nas mãos dos terroristas. A guerra de civilizações é o maior desejo do Estado Islâmico, que procura dividir um “nós”, no Ocidente, juntos por uma versão vaga de democracia, e “eles”, que buscam aparecer como a força unida numa área dilacerada por anos de guerra.

Aceitar esta divisão terá impacto sobre nossa comunidade, construindo muros entre os que partilham o mesmo espaço, seja uma cidade ou um país. Será essencial não cair em estratégias aparentemente tranquilizadoras, mas, em última análise, autodestrutivas, como evocar bodes expiatórios. Podemos esperar conexões desprezíveis entre terroristas e comunidades na França, que têm sido alvo nos últimos anos do aumento da xenofobia.

Foi exigido aos membros da “comunidade muçulmana” da França que mostrassem oposição aos ataques de janeiro, numa atitude profundamente discriminatória, mas agora comum na França. Um grupo particular ” tão diverso como qualquer outro ” foi estereotipado e associado aos seus membros extremistas. Podemos esperar que essas suspeitas irracionais reapareçam. Cada movimento dos muçulmanos na França será rastreado. Vão recriminar refugiados, mesmo que estejam fugindo do EI.

Nos próximos dias, semanas e meses, será crucial evitar o medo. Se não o fizermos, só haverá mais medo e paranoia, leis cada vez mais rigorosas de limitação das liberdades, e mais dor por meio da discriminação e da segregação sobre aqueles que já sofrem exclusão. Todas essas coisas, por sua vez, alimentarão ainda mais a propaganda de recrutamento para grupos extremistas.

Não importa o quão óbvio pareça a muitos de nós: vai valer a pena repetir que não são muçulmanos, imigrantes ou refugiados os responsáveis pelos ataques, mas um punhado de fanáticos que querem nos forçar um caminho terrível de desconfiança, exclusão e corte das liberdades fundamentais.

Translated by and published in O Globo

 


Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *